Ideias até ao infinito

Diário de um WC anunciado

Setembro 2, 2021
diário de um wc anunciado

Querido diário,

Acabei de chegar de férias e o WC está pronto. Correu tudo como planeado… Ou quase tudo. Mas o que realmente importou foi chegar a casa, inaugurar o novo trono (com tampa automática) e o luxuoso poliban, ou cabine de duche (é mais chique). Até estou com vontade de me sentar no deslumbrante quarto de banho e contar-te como tudo aconteceu (mais ou menos), porque como sabes estive duas semanas fora (a saltitar entre a Beira Baixa e o Algarve) e perdi grande parte da novela.

Enquanto isso na nossa ausência…

A primeira semana, (já te contei), foi caótica. A nossa vida ficou um pouco desorganizada por causa dos banhos nas casas das nossas mães e pelo facto de uma divisão da nossa casa estar toda partida. Mas como sabemos, é do caos provocado pelas obras que nascem lugares bonitos. O nosso WC esperou 20 anos por este extreme makeover. Foi muito tempo. Sempre confiantes, tanto no trabalho de acompanhamento da Eilar como no profissionalismo (5 estrelas) do nosso mestre de obras, Sr. Carlos (merecedor do bidé de ouro que lhe foi atribuído), regámos as plantas e saímos de “armas e bagagens” por esse Portugal.

Por cá, ficou o nosso herói a construir o WC de sonho. Fomos recebendo fotos da evolução dos trabalhos, e tomando pequenas decisões à distância de um telefonema. Mas a verdade é que nas nossas cabeças rondava uma pequena e teimosa dúvida – Será que vai ficar tudo pronto a tempo do nosso regresso?

Aquietámos na transição da Beira Baixa para o Algarve, ao fazermos uma paragem para espreitar a evolução da arte sanitária. Quando entrámos na nossa casa sentia-se um forte cheiro a pó. Mas pó nem vê-lo, só mesmo no corredor, porque todas as outras divisões estavam isoladas para não sofrerem as agruras deste flagelo. Na semana anterior, tinha ocorrido o segundo momento alto destas obras – a colocação do azulejo e do pavimento. Aquele corta e cola da cerâmica, que traz, sempre, como bónus  partículas muito ténues que andam suspensas no ar ou se depositam sobre os corpos.

Quando vimos que a arte estava a evoluir como programada, as nossas alminhas foram mais descansadas para banhos em terras algarvias. 

Falha na comunicação. Não temos nicho!

Nada é perfeito. Mas está sempre tudo certo. Por mais reuniões que tenhamos tido no micro WC antes do arranque das obras, uma falha de comunicação foi a responsável pela não existência de um nicho (muito desejado, ao estilo revista de decoração) dentro da cabine de duche, para colocarmos os champôs e o gel de banho. Esse pequeno incidente acabou por nos levar a uma decisão interessante. Uma vez que o nicho não foi escavado na parede, sobrou-nos espaço para fazermos um móvel à medida, ao lado da cabine de duche. Devolvemos o que tínhamos comprado e a Eilar está já a tratar do assunto. E que bonito vai ficar!

Espelho meu, espelho meu…

Como é que a colocação de um espelho deu tanto trabalho? O problema não foi o espelho, mas o sistema de iluminação. Sempre sentimos falta de uma luz mais direcionada para aqueles momentos diários rotineiros (fazer a barba e a maquilhagem). Por isso, o nosso mestre de obras tratou do assunto para que se fizesse luz. O problema é que o modelo de iluminação que comprámos para o espelho não foi o mais adequado. Quando vimos em exposição, na loja, não tivemos o bom senso de perceber que estar em exposição é uma coisa e depois na prática nem sempre resulta. Perdemos boa parte de uma manhã a decidir o que fazer. Espelho meu, espelho meu, com esta iluminação ficas um camafeu! O espelho ficou, a iluminação foi à vida (por enquanto). Estamos em busca de uma solução.

A tal da Murganheira Reserva.

A estreia da cabine de duche era para ter sido feita com um copo de Murganheira Reserva, mas não houve tempo. Cansados da viagem só queríamos aquele duche abençoado debaixo de um chuveiro de sonho. Fica a a promessa de instagramar esse momento, depois de termos adquirido os toalheiros, o suporte do papel higiénico, umas prateleiras, alguns elementos decorativos e o móvel feito à medida, pode ser?

Entretanto, ofereceram-me uma obra de arte para colocar no recém-inaugurado WC, um azulejo com a assinatura da Helena Manso. Gostei tanto! Até fiquei comovida. 

Querido diário,

Esto muito feliz. O patinho feio cá de casa transformou-se num belo cisne! E o chuveirinho que substituiu o bidé é uma das melhores invenções no que diz respeito à higiene pessoal! 

Rosarinho

p.s.: Eu sei que as fotos não são as melhores mas: 1) o espaço é tão pequeno que tenho dificuldade em fotografar; 2) não tenho luz natural (eu bem que gostaria de ter uma janela no WC…)

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias