Ideias com asas

Regámos as plantas e fomos para Sousel

Agosto 6, 2020
Hospedaria da Roda

A decisão estava tomada. Depois de tanto tempo sem viajar e após o desafio irrecusável de uma amiga, fizemos a mala, regámos as plantas e aí fomos nós para Sousel. Quisemos voltar a um lugar do qual guardávamos a recordação de um doce e chuvoso novembro. Nessa altura, a piscina foi um sonho adiado. Desta vez, o sol e os 37º à sombra fizeram do grande tanque de água doce o melhor local do mundo. Eu e Mr. J. voltámos à Hospedaria da Roda e desta vez não podia deixar de escrever um post sobre este lugar no Alentejo que nos faz sentir em casa. 

Hospedaria da Roda, Sousel, Alentejo

Viagem.
Fizemo-nos à estrada ao final do dia. Sexta-feira. Trânsito na ponte. 30 minutos a mais numa viagem de duas horas. Aqui a miúda não gosta de conduzir à noite, mas prometera levar o carro. Quando o manto escuro preencheu o céu, a viagem fez-se entre médios e máximos. A viatura parecia uma árvore de Natal. Geralmente, gostamos de fazer pausas nas viagens, mas desta vez tinha pressa em chegar. Os últimos 10 km pareciam não ter fim. O relógio marcava as 23h00 quando o nosso carro estacionou debaixo de uma laranjeira. As amigas esperavam à janela da Hospedaria da Roda e em menos de um minuto os abraços trocaram-se por sorrisos mascarados. O nosso quarto aguardava-nos logo após uma escadaria alta e antiga. Largámos as tralhas, apaixonámo-nos pela decoração típica, o corpo a pedir descanso, mas ainda houve vontade para um chá no pátio com a piscina a piscar o olho. No quarto tens, sempre, pacotes de chá, café, águas e chávenas. Uma espécie de welcome drink.

Hospedaria da Roda, Sousel, Alentejo

Sábado.
Acordar às 8h00 da matina com a melodia das rolas turcas e não ter planos é assim uma espécie de oásis mental. Só sabíamos que o pequeno-almoço seria servido às 09h00, na sala de refeições, de parede decorada com os pratos das avós e das tias. Isso bastava. O resto viria a seguir com a calma dos dias alentejanos. As pessoas da cidade às vezes não entendem, esta paz, não é Joana? Devo dizer que a companhia durante o fim de semana foi a ideal, depois de tantos meses de afastamento físico e de confinamento. Obrigada Dora, Joana e Bárbara por todo o carinho e as risadas que nos proporcionaram. Vamos lá falar sobre o bolo de mel, as torradas de pão alentejano (a maior invenção de sempre) o café que não acorda ninguém, mas que sabe pela vida e os ovos mexidos. Um pequeno-almoço que deixa qualquer um feliz. A Cláudia, quase que podia ser minha prima (já que tenho costelas alentejanas), tratou de nós como se fôssemos as pessoas mais importantes de mundo. Não faltou nada naquela mesa, nem carinho. Confesso que depois de uma noite mal dormida (estranho sempre as camas, que nervos!) aquele momento era tudo o que eu precisava. Já de estômago feliz e de fato de banho novo, a piscina esperava por mim. Cadeira confortável, muito protetor solar que esta menina é tão branca quanto os lençóis lavados com OMO, leituras, andorinhas, pardais e a tranquilidade de uma piscina com pouca gente. A temperatura foi subindo à medida que o relógio marcava as horas e o desejo de transformar o sonho de um mergulho, guardado desde novembro, numa realidade, foi o espaço entre a cadeira, o chuveiro e a piscina. Paraíso alentejano. A tarde fez-se de almoço em Estremoz, conversas sobre Agrobetos e Sheilas, a revelação que os rapazes de Alter são mais bonitos que os rapazes de Fronteira e uma visita ao recém-inaugurado Museu do Azulejo (falarei dele para a semana). De regresso a Sousel tive aquela sensação que esta escapadinha já tinha vários dias. Adoro a calma, a alma de um Alentejo que também é meu. O sossego da Hospedaria da Roda é um tesouro bem guardado, mas que eu quero muito partilhar contigo. Andas pela casa como se ela fosse tua, tens aquela sensação que a qualquer momento te cruzas com a avó que acabou de fazer uns biscoitos. As paredes devem ter muitas histórias para contar, se elas falassem… Esta é uma casa antiga no centro da vila de Sousel que ganhou uma nova vida graças à visão de Vítor Pinheiro. Valorizam-se pormenores, detalhes ricos que nos falam da cultura alentejana. Entre o rústico e o contemporâneo encontras o bom gosto e a memória. A noite fez-se de piquenique num monte onde a Lua brilha mais.

Domingo.
Já te disse que os quartos da Hospedaria da Roda são lindos? Todos eles diferentes, mas todos decorados com muito gosto e, claro, com um toque da poesia alentejana. Da varanda com vista para a piscina, as cores do céu adivinhavam mais um dia quente. As amigas adormeceram e atrasaram-se para o pequeno-almoço, eu desesperava por um café. Assumi o papel de despertador e ao de leve bati à porta do quarto. Do lado de lá o silêncio deu lugar à agitação. Em poucos minutos estávamos na mesa de refeições, com chávenas de tempos idos, para mais um pequeno-almoço delicioso. Desta vez, tivemos direito a bolo de iogurte e a broas de mel. A paz das ruas foi cancelada pela carrinha que anunciava batatas novas, 20 kilos a 8€. Domingos tranquilos no Alto Alentejo. Antes de me dedicar a mais banhos de sol e de piscina, visitei a loja da Hospedaria. Uma mercearia típica com aqueles produtos do antigamente, cheios de requinte, artigos regionais, compotas, azeites da Horta da Roda e vassouras para varrerem as entradas das casas caiadas quando o sol se esconde e fica mais fresco. O domingo foi totalmente dedicado à leitura, à conversa, aos mergulhos e a corar. Não tirámos os pés da hospedaria. Quisemos viver e estar na companhia do marmeleiro, do limoeiro e das sardinheiras. Bela vida… interrompida pela realidade do regresso à cidade. Com duche tomado, mala arrumada, ainda houve tempo para uma fatia de melancia, beijos e abraços fictícios e um sincero até breve. Entreguei as chaves do carro a Mr. J. e fizemo-nos à estrada.

Era menina para tirar uma semana sabática, voltar à Hospedaria da Roda e terminar de escrever o meu livro. Quem sabe?
Rosarinho

  • Reply
    Maria Maduro
    Agosto 7, 2020 at 9:42 pm

    Adorei esta sua viagem a Sousel. Continue à viajar pelo país e escreva-nos sempre.
    Beijinhos.

    • Reply
      Rosarinho
      Agosto 10, 2020 at 6:07 pm

      Cara Maria,
      muito obrigada pelo seu comentário!
      Para a semana estarei de volta à estrada e terei certamente muitas histórias para contar.Beijinhos

  • Reply
    DoraB
    Agosto 8, 2020 at 9:12 am

    Relato maravilhoso 😊 revivi novamente este fim-de-semana💕num lugar onde genuinamente nos sentimos em Casa. @hospedariadaroda é um lugar a visitar …

    • Reply
      Rosarinho
      Agosto 10, 2020 at 6:08 pm

      Amiga Dora!
      Obrigada pela tua companhia neste fim de semana e obrigada pelo teu comentário que me iluminou o coração. A Hospedaria da Roda será sempre uma casa a voltar.
      Beijinhos

Escreve aqui o teu comentário

Parcerias