Ideias até ao infinito

Colagens, a minha nova descoberta favorita

Junho 25, 2020
colagens

Quando a tesoura se torna a tua melhor amiga, isso é… criatividade, sem tirar nem pôr. Antes do confinamento eu já andava às tesouradas. É certo que de uma forma tímida, seguindo alguns conselhos da minha querida amiga Sandra Marques Augusto do Colectivo 71.86. Comecei por fazer colagens em postais, antigos que tinha cá por casa. Depois chegou o Covid-19 e com ele o projeto #recortarcolarjasmim da Jasmim Project. Nunca mais dei descanso à tesoura. Hoje o post é sobre colagens, a minha nova descoberta favorita.

Se eu entrar numa máquina do tempo vou parar aos anos 80 e vou perceber que afinal os recortes e as colagens já faziam parte da minha vida. Na altura decorava os dossiers do liceu. Claro que eram propostas naïf, mas não deixavam de ser uma abordagem na arte do corta e cola. Se voltar a entrar na máquina do tempo, descubro que lá para os 90’s já as tesouradas estavam mais apuradas e a criatividade também. Mas nada parecido com o processo que se deu neste período. Hoje os recortes e as colagens transformaram-se em algo mais pensado, um exercício de criatividade apurado. São tesouradas dadas com um outro olhar e a colagem é feita de forma refletida.

A Sandra Marques Augusto, que vai realizar no próximo sábado um Workshop de Colagem dedicado aos Santos Populares, deu-me algumas luzes e iniciou-me na personalização da colagem. Na altura, eu estava a personalizar postais para oferecer e ela ajudou-me a refletir sobre o que pretendia transmitir a quem iria receber aquela oferta. Foi um trabalho muito interessante. Para além de me divertir, enquanto passei por todo aquele processo, a pessoa a quem se destinava o postal esteve sempre ‘presente’ no meu pensamento. Confesso que no início senti-me um pouco retraída, depois libertei-me. Foi nesse momento que a tesoura tornou-se uma grande amiga, daquelas que estão do nosso lado, e nos incentivam, mesmo quando uma vozinha interior nos diz que vais fazer asneira. E foi assim que meio mundo começou a receber os meus postais antigos com colagens divertidas.

Depois apareceu a Jasmim Project, (da Simone Matos), com o Movimento #recortarcolarjasmim.  Andava eu a passear pelo Instagram (um dos poucos passeios permitidos em dias de pandemia) quando dei de caras com um desafio muito interessante. A ideia  era a de mantermos a nossa criatividade ativa, mesmo dentro de quatro paredes. Um verdadeiro momento de mindfulness que nos permitia acarinhar a nossa mente desesperada com o Covid-19. Achei que estava na hora de extravasar energia da boa.  Dei a volta a casa e reuni tudo o que era revistas, procurei um bloco antigo de papel cavalinho e estava pronta para a nova aventura.  Comecei por fazer imensos recortes de imagens que me diziam algo. Não sabia o que ia sair de tanta tesourada mas naquela altura isso não me importava. Depois comecei a colar com o sentir. As obras floresceram e foram todas batizadas. Algumas já seguiram pelo correio espalhando magia, outras estão emolduradas e muitas mais irão nascer. Para mim este Movimento veio para ficar.

Estou verdadeiramente apaixonada pela arte da colagem!  Apurei a técnica, continuo a intervir em postais antigos, já criei marcadores de livros, forrei cadernos e até personalizei papel de carta! Confesso que as colagens em tamanhos A4 são as mais desafiantes e passaram a ser as favoritas. As minhas amigas até me oferecem revistas para eu continuar a criar as obras de arte. Parece-me a mim que neste Natal, vou dar umas valentes tesouradas! O Eduardo mãos de tesoura que se ponha a pau!

Esta foi a minha nova descoberta em tempos de Covid-19 e a tua qual foi? Partilha comigo nos comentários.
Rosarinho

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias