Ideias até ao infinito

Taras e manias de uma leitora

Junho 18, 2020
Taras e manias de uma leitora

O que seria a minha vida sem livros? Não consigo imaginar. Mas nem sempre foi assim. Esta dependência literária deu-se quando já estava a ganhar juízo na cabeça. Ali entre os 16, 17 anos. Há uma eternidade, vá. Até então fugia dos livros, ou levava um ano para ler “Os Cinco na ilha do tesouro” ou “O Colégio das Quatro Torres“. Foi precisamente uma explicadora de francês que me incutiu o gosto pela leitura. A santa senhora ‘obrigou-me’ a ler 4 livros num mês (mais coisa menos coisa). O suficiente para acordar para a vida. Merci mademoiselle! Agora, que livrólica me confesso, quero partilhar contigo as taras e manias de uma leitora.

Livros: Um dia a aldeia acabou de Nuno Franco Pires e mil novecentos e oitenta e quatro de George Orwell

Ler mais que um livro ao mesmo tempo
Isto seria impensável há uns anos. Era daquelas que mantinha uma relação de fidelidade com o livro que estava a ler e não havia  poligamia literária. Quando cheguei aos 30 perdi a vergonha e ganhei esta tara. Chego a ler três livros em simultâneo. A vida é muito curta para tantas prateleiras coloridas de títulos. A princípio pensei que me ia atrapalhar, que as histórias se iriam promiscuir umas com as outras, mas nada disso aconteceu. Queres saber o que estou a consumir neste momento? Mami Geographic, crónicas de viagens, da Mami Pereira (uma crónica por dia traz muita alegria); Quem disser o contrário é porque tem razão, de Mário de Carvalho (um guia prático de escrita de ficção que vou lendo ao sabor das minhas escritas) e Um verão especial de Elin Hilderbrand (um livro inesperado, não estava na minha wish list e acabou por passar à frente dos 30 que todos os dias me acenam da prateleira número 3 a contar do céu).  

Livros: Mami Geographic crónicas de viagem, Quem disser o contrário é porque tem razão e Um verão especial

Sublinhar frases, palavras e marcar páginas
Esta é uma mania recente. Acho que tudo começou com o Clube de Leitura “Livros à Sexta” (quase a celebrar o 3º aniversário). Falar sobre um livro que lemos, para uma audiência ainda que pequena, é um desafio. Queremos partilhar a história, os sentimentos, as frases que nos tocaram, os momentos mais relevantes… Por isso o sublinhar e dobrar o cantinho das páginas ou colocar um pos-it é fundamental para mim. São os lembretes dos momentos especiais que vivi naquelas páginas. Voltar a elas mais tarde poderá ser surpreendente e revelador de uma fase da minha vida.

Livro Um verão especial de Elin Hiderbrand

Ler ao pequeno almoço
Uma tara como outra qualquer. No silêncio da casa, entre o cheiro a café acabado de fazer e o sabor das torradas com manteiga é quando a leitura me faz maior proveito. Um ritual, que quando não acontece, estranho. O pequeno almoço não tem o mesmo significado se não existir a companhia de um livro.  A minha cozinha enche-se de sol e de cânticos da passarada que desperta, enche-se de letras e de histórias. Aquele é o meu momento literário do dia. Nada mais importa, nem relógio, nem telemóvel, nem a vizinha do lado que insiste em atirar com a porta todos os dias. 

Comprar livros mesmo quando tenho 30 na prateleira para serem lidos
Esta mania que eu tenho de comprar livros, mesmo quando cá por casa estejam tantos ainda por ler, é um vício. Não tem explicação. É paixão, é impulso, é adrenalina. Podia-me dar para comprar sapatos ou malas. A experiência de viver um livro não se pode comparar à sandália da moda, ou à mala it da estação. Até porque um livro nunca passa de moda e quanto mais antigo é, mais encantador se torna. Aquele cheirinho a papel amarelecido com 30 anos… Nem a pele da bota de inverno supera! Eu sei que podia ser mais controlada. Ninguém é perfeito e portanto não vou falar mais no assunto. 

Oferecer livros em segunda mão
Gosto tanto! Para mim um livro que já pertenceu a outra pessoa leva a sua história, com sorte, uma ou outra nota, uns sublinhados e,  talvez, um bilhete escondido nas páginas. Adoro comprar livros em segunda mão para oferecer a amigos e a mim mesma. É aquele segundo amor. O meu pai gostava de ler. Pelo aniversário e pelo Natal era habitual oferecer-lhe livros. Agora que ele já partiu,  a minha mãe ofereceu-me alguns dos seus livros que estavam esquecidos nas estantes da sala. Vieram para a minha casa. Fiquei com alguns, outros oferecei a pessoas que, sei, vão estimá-los e dar-lhes uma segunda oportunidade. 

Livros em segunda mão

Também tens taras e manias de leitor/a? Queres partilhar comigo? Eu vou adorar. ♥
Rosarinho

  • Reply
    António da Silva
    Junho 19, 2020 at 1:17 pm

    Boa tarde
    Alguns dos intens, na relação tua com os livros, revejo-me neles.
    Gostei da tua prosa.
    Bjs

    • Reply
      Rosarinho
      Junho 19, 2020 at 6:30 pm

      Amigo Silva,
      Fico contente que te tenhas revisto nestas taras e manias! Obrigada pelo teu comentário.
      Beijinhos

Escreve aqui o teu comentário

Parcerias