Ideias até ao infinito

6 coisas que me irritam

Maio 28, 2020
6 coisas que me irritam

Já que a semana passada foi um teste à minha paciência e aos meus nervos, resolvi que estava na hora de escrever este post. Não lhe vou chamar desabafo. Isto é algo entre, confrontar-me com situações que me arrufam e a procura de alguém que se identifique com o que vou escrever. Sugiro que criemos o grupo AA – Abespinhados Anónimos para libertarmos as raivinhas que estas situações provocam no nosso dia a dia e no nosso corpo. Aqui tens 6 coisas que me irritam.

Gente que não paga o condomínio

1. Gente que não paga o condomínio

Vamos lá a ver. As coisas bem faladas até se resolvem. Acordos fazem-se. Agora, deixar de pagar, não dar justificação, não pedir para fazer um plano de pagamentos e ainda roubar dinheiro ao condomínio quando se é administrador, já ultrapassa os limites e a boa vontade da população vizinha. Processo em tribunal para não se armar em Chico-esperto. Depois vitimiza-se, nós é que somos os vilões da história, ele é um coitadinho que não tem onde cair morto, com dois filhos e um emprego mal pago… Vigarista, estupor, dissimulado (e mais uma lista de nomes do género que só lhe assentam que nem uma luva… de boxe naquela fronha). Este ano, a vizinhança ainda não se encontrou na reunião mais esperada do ano. Obrigada Covid-19! Certamente que a conversa iria andar à volta do caloteiro, cujo o processo está em tribunal, mas que não ata nem desata. A dívida continua a crescer, a sua arrogância com cheiro a perfume barato também. Pavoneia-se, escada acima, escada abaixo, achando-se intocável. Veremos. Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar agastada?

Gente que não se digna a dizer bom dia

2. Gente que não se digna a dizer bom dia

Quem não diz bom dia, não diz boa tarde, nem boa noite. Está-lhe no sangue. Durante muito tempo ainda lutei contra esta maré de mau humor, exibindo o meu melhor sorriso e cumprimentando os Grus maldispostos desta vida. À minha tentativa de trazer as boas maneiras à flor da pele de gente mal-educada recebia como resposta: Olhos no chão, grunhidos, indiferença e a quase certeza de que eu era invisível. Lição aprendida depois de muitas tentativas frustradas. Já tenho uma lista de pessoas malcriadas com as quais não gasto nem palavras nem sorrisos. Mas por vezes ainda me deixo enganar. Os Grus maldispostos devem estar felicíssimos com o afastamento social. Cambada de gente parva! Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar azedada?

Gente que não sabe o que é um caixote do lixo

3. Gente que não sabe o que é um caixote do lixo

Nem tão pouco o que são Ecopontos. Quer dizer, não acredito que não saibam, mas dá trabalho. Então, não é muito mais fácil deitar para o chão? Uma pessoa tem tanto que fazer e agora ainda tem de colocar esta embalagem de plástico num bidão gigante… Verde? Azul? Amarelo? Não compliquemos a vida complicada destas pessoas. Será que alguém já se lembrou de criar um ecoponto para reciclagem de gente que só atrapalha? Fico com os cabelos em pé quando vou dar o meu passeio e tropeço em garrafas de água, copos de plástico, máscaras e luvas (os itens da moda!!!!). Já para não falar nas beatas atiradas dos carros! Será que em pleno século XXI ainda existem estafermos deste calibre, que atiram o lixo para a rua? O que é que  ainda não perceberam? O planeta terra é a nossa casa. Respeito! Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar encrespada?

Não são só os outros que me envinagram… Eu também tenho a capacidade de me estomagar comigo mesma.

dificuldade em abrir embalagens

Eu sou aquela pessoa que:
4. Tem dificuldade em abrir embalagens

Diz-me que contigo isto também acontece! Recentemente descobri que esta é uma coisa de família. A minha mãe também se vê aflita para abrir qualquer tipo de embalagens ou abre pelo lado errado (leia-se, o mais difícil). Eu sou igual. Se há coisa que me deixa com os nervos em franja (embora eu não tenha franja) é abrir embalagens de queijos frescos, ou requeijões. O meu problema é principalmente com embalagens que dizem ser de abertura fácil e aquelas que têm indicação para puxar a ponta do plástico… Eu puxo e puxo e nada. Acabo por destruir a embalagem com uma faca. Nem quero falar dos sacos plásticos que parece que estão sempre colados e que nunca se conseguem abrir! E as embalagens de cosméticos? Aquelas que são um misto de papel e plástico? Tesourada nelas e mesmo assim é uma luta para retirar o produto do interior. Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar azoada consigo mesma?

Mato plantas

Eu sou aquela pessoa que:
5. “Assassina” plantas

Que dó! Eu queria tanto ter uma casa como aquelas de revista com plantas viçosas e felizes espalhadas por todas as divisões. Às vezes, acho que sou uma serial killer (sem intenção) de fetos, suculentas, poinsétias, manjericos, aromáticas… Não percebo. Eu tenho tanto amor para dar a estas meninas. Será que coloco água a mais, a menos? Estão muito ao sol ou à sombra? Será que tenho de falar mais com elas? Quando não as mato, parece que não crescem. Estão sempre do mesmo tamanho, com o mesmo número de folhas… Talvez a solução passe por me informar mais sobre as espécies e ver quais os cuidados a ter com cada uma delas. Ainda ontem me apercebi que tenho uma suculenta doente! Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar desesperada consigo mesma?

Não consigo estar parada

Eu sou aquela pessoa que:
6. Não consegue estar parada

E porque é que isto me tira fora do sério? Simples. Parar é bom, faz bem, é preciso. No primeiro momento em que estou parada, começo logo a pensar naquilo que posso fazer. Encontro imediatamente uma lista enorme de coisas. Só de estar a pensar nessas coisas, já não estou quieta. Eu podia ser uma miúda que ao final do dia se esticasse no sofá a contemplar a vista da sua janela, a ouvir os passarinhos e ficar sossegada!!! Mas não. Tenho boa vontade. Sento-me no sofá, olho a janela, oiço a passarada e quando dou por mim, já estou de livro na mão. Isto de estar parada também exige que os pensamentos façam uma pausa. Qual quê? Estou sempre a maquinar o que posso fazer a seguir e quem desinquietar. Pois… eu gosto de ter partners in crime. Às vezes, gostava de ser como aquelas pessoas que praticam o dolce far niente, nem que fosse uma vez por mês. Diz lá se isto não é para uma pessoa ficar enxofrada consigo mesma? 

Para não me veres acirrada… (sim, escrevi este post com um dicionário de sinónimos ao meu lado) partilha comigo, nos comentários, as coisas que mais te irritam nesta vida. Quem sabe ainda formamos o grupo dos Abespinhados Anónimos… Estás a ver? Não consigo estar parada!

Rosarinho

  • Reply
    Isabel Amara
    Maio 30, 2020 at 7:23 pm

    Boa tarde
    Conheci o vosso blog quando estiveram a conversar com a Rita Mendes e posteriormente fui ” cuscar ” e gostei.
    Achei piada ás 6 coisas que mais irritam e concordo plenamente, sobre a abertura das embalagens se falarmos daquelas embalagens super seguras para as crianças não abrirem, garanto -vos que as crianças não sei, mas eu nunca as consigo abrir
    Beijinhos

    • Reply
      Rosarinho
      Junho 1, 2020 at 9:30 am

      Olá Isabel!
      Que bom saber que gostou deste nosso espaço virtual. Espero que nos continue a acompanhar. Obrigada pelo comentário. Eu tenho definitivamente um problema com embalagens. Ontem foi com a das cotonetes! 😉 Grande beijinho

Escreve aqui o teu comentário

Parcerias