Ideias até ao infinito

O Armazém está em casa

Março 26, 2020
observar aves

As miúdas já estão em isolamento há 10 dias. O Armazém está em casa. A vida passa-se no quarto, no escritório, na sala, na cozinha e há quem tenha sorte e dê um saltinho ao quintal (não é menina Susana?). Tenho a dizer-te que, apesar deste retiro forçado, a minha vida tem-se desenrolado para além das quatro paredes. Não é um Covid-19 que me vai deixar sem ânimo, apesar de tudo. E tudo é muito pesado. Quero partilhar contigo como têm sido os meus dias. Talvez te ajude a voar para além do confinamento seguro.

#euficoemcasa
Processed with MOLDIV

(Tento) manter a rotina das 09h00 às 17h00

O despertador toca um pouco mais tarde. A deslocação do quarto para o escritório, atualmente, é rápida e sem trânsito. Medito, escrevo, maquilho-me, troco o pijama pelo outfit do dia, tomo o pequeno-almoço e depois entro ao serviço do Cascais Food Lab. Eu sou daquelas sortudas que podem trabalhar a partir de casa. Consigo fazer tudo o que fazia no Ninho da DNA. Só não posso estar perto dos meus colegas e tomar café na sua companhia, ou ir ao shopping na hora do almoço para ver as montras. Sinto falta destas pequenas coisas, mas a vida segue. Enviamos fotos uns aos outros, fazemos áudios e videoconferências. E produz-se muito. Preparamos tudo para a abertura do nosso espaço que será, ainda, mais celebrada.

#euficoemcasa

Dou um empurrão ao meu livro

Esta parece ser daquelas decisões que tomei no final do ano e que não vai ser afetada pela pandemia. Porque estando em casa tenho mais tempo para escrever. Como sabes, este ano quero publicar o meu primeiro livro e o Sr. Covid-19 está a dar uma ajuda. Acreditas que me sinto fortemente inspirada? A criatividade parece que se isolou, comigo, no meu santuário de escrita (como, carinhosamente, uma amiga designa o meu local de criação). Eu e a criatividade estamos a viver momentos intensos de produção. O manuscrito vai de vento em popa.

escrever um livro
Processed with MOLDIV

Apanho vitamina D à janela

Ganhei um novo hábito. Descobri os encantos de estar à janela. Nunca na minha vida passei tanto tempo nesta atividade de lazer. Refrescar a cabeça e apanhar vitamina D. Ouvir a sinfonia da passarada. Contemplar as árvores e um planeta que respira, que se regenera. De vez em quando “salto” da janela e vou até ao meu bosque encantado para um breve passeio higiénico. E sabes o que faço? Abraço uma árvore. Abraçar árvores ainda é possível e elas retribuem. 

Leio até que os olhos me doam

Sempre li muito. Mas agora acho que leio mais. Afastei-me da televisão. Vejo o essencial uma vez por dia e depois prefiro investir o meu tempo numa leitura que me leve a viajar para além das quatro paredes. Neste momento, estou a ler 3 livros, uma revista e com muita vontade de iniciar um quarto livro. Já lhe pisquei o olho e ele correspondeu. Leio logo pela manhã, enquanto tomo o pequeno-almoço, e leio à noite. Leio muito à noite. É uma novidade. É um bom (novo) hábito. E aceitei o desafio da Maria João Covas e da Maria João Diogo  – #onossopasseiodiario pelas páginas de um livro – (30 minutos de leitura por dia).

Desbravo uma nova paixão

Recentemente aventurei-me no mundo das tesouradas e colagens. Gostei. Neste período de recato, aderi ao Movimento #recortarcolarjasmim da Jasmim Project e estou fascinada com as possibilidades e com a criatividade latente na ponta dos meus dedos. Este ano tinha-me atrevido a fazer umas colagens em postais, mas isto é um outro nível. Sinto-me uma verdadeira artista. Sinto-me, não quer dizer que seja. Sou uma mera aprendiz, mas com uma vontade enorme de voar numa tesoura. 

Observo a chegada das andorinhas

Sim, as andorinhas-dos-beirais estão a chegar e trazem um entusiasmo contagiante. Sinto a sua felicidade. Esta pode ser uma primavera estranha para nós, mas para estas aves talvez seja a melhor primavera de sempre. Vou para a janela com os meus binóculos (atenção que não vou observar os vizinhos, que fique bem claro), observo os pardais,  os melros,  as borboletas e tenho uma vontade enorme de me aconchegar num voo de uma andorinha. Observar a vida destes seres traz-me uma serenidade que não te consigo descrever.

a chegada das andorinhas

O que é extremamente importante neste momento? Ficar em casa. Eu sei! Ouves todos os dias este apelo. Mas agora são as miúdas que te dizem!

Lê e se quiseres partilha as tuas leituras connosco. Adere ao Movimento #recortarcolarjasmim e faz muitas colagens. Exterioriza o que sentes numa folha de papel. Escreve. Abre a janela e respira. O amanhã vai chegar.

Rosarinho

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias