Ideias até ao infinito

Óscares: um ‘coelho’, um novo ator fetiche e… muito sono

Fevereiro 11, 2020

Este ano, a ‘tarefa’ de assistir à cerimónia de entrega dos Óscares revelou-se hercúlea para as miúdas. Sem a companhia uma da outra – já que na véspera houve quem tivesse marcado presença numa festa de aniversário muito especial e, na manhã de domingo, fosse cumprir uma prova de 5 km em Cascais (you guess who!) -, a luta para não adormecer foi… inglória.

Ainda assim, de cochilo em cochilo, conseguimos trocar umas (poucas) mensagens… quase tipo telegrama. “A Penélope Cruz está maravilhosa, não achas?”… zzzzzz… “viste a roupa da Billie Eilish?”, ainda na passadeira vermelha… zzzzzz… e uns “Yey!”, bem como emojis de palmas pela vitória de um dos nossos favoritos à estatueta dourada, o senhor Brad Pitt, pois claro! “Era uma vez em… Hollywood” foi um dos filmes a que as duas miúdas assistiram e quando falaram sobre o assunto, a opinião foi unânime: o melhor do filme… a personagem/interpretação do Brad Pitt! Fantástico! 👇

De qualquer forma, as miúdas conseguiram dedicar as duas semanas anteriores a tentar assistir ao maior número possível de filmes nomeados ao prémio maior – de Melhor Filme. Posso dizer-te que me falta ver apenas “1917” e “As Mulherzinhas”. Por tudo isto, e “coisas da vida”, deixámos de lado a escolha do nosso favorito à vitória, como fizémos no ano passado

Assim, hoje, venho aqui apenas dizer o que ‘retirei’ dos Óscares de 2020.

Um ‘coelho’… mas não de uma qualquer cartola

Diretamente da ‘cartola’ de Taika Waititi, este filme é uma delícia de ver! Ele é sátira, ele é amor, ele é amizade, ele é crueldade, ele é tolerância… Um filme que, embora retrate um momento histórico, e não um dos melhores da humanidade, diga-se, está cheio de apontamentos e detalhes que se mantêm pertinentes (ainda) nos dias de hoje. E depois o pormenor do pequeno Jojo Betzler (interpretado pelo jovem promissor Roman Griffis Davis) ter por amigo imaginário o próprio do Hitler (interpretado pelo Taika Waititi, himself) é simplesmente genial! Sim, AMEI “Jojo Rabbit”! 👇

Um ‘divórcio’ que me ofereceu um novo ator fetiche

Alguns podem conhecê-lo (só) da sua participação nos últimos filmes da saga “Star Wars”, mas digo-te que fiquei de olho em Adam Driver desde que vi “Blackkklansman” no ano passado. E se 2019 me deixou em ‘estado de alerta’, a sua interpretação em “Marriage Story” só veio confirmar que não vou querer perder Adam Driver de vista! O próprio do filme está entre os que mais gostei – com uma Scarlett Johansson divinal -, e Adam Driver revela-se um ator extraordinário! Porque, tal como se ouve muito dizer em relação à música, ‘não é preciso fireworks’ para se ser bom, ou neste caso extraordinário! E Adam Driver consegue captar a nossa atenção até mesmo quando o seu Charlie está simplesmente a ler uma história ao filho! AMEI! E sim, vou passar uma boa parte dos próximos tempos a dizer… Adam Driver! ❤

Para terminar, quero só dizer que também adorei que o grande vencedor da noite tenha sido “Parasite”, de Bong Joon-ho! O filme é qualquer coisa de fenomenal! Que tesouro tão bem-vindo! Se não viste, as miúdas aconselham vivamente! 

Susana Figueira

P.S.: Ah, é óbvio que as miúdas ‘sabiam’ que Joaquin Phoenix ia vencer a estatueta de Melhor Ator. Merecidíssimo! 

  • Reply
    Natália Rodrigues
    Fevereiro 14, 2020 at 6:05 pm

    Eu conheci o Adam Driver numa série da HBO que passou no canal 2, (ainda antes do Star Wars) chamada Girls, fazia um personagem muito interessante! A partir daí tem sido sempre a subir.
    Tenho andado a guardar o “Marriage Story”, para ver num fim de semana, com calma, porque o tema me toca especialmente.
    acho que é desta.
    bjs

    • Reply
      Susana
      Fevereiro 17, 2020 at 10:48 am

      Natália, agora fiquei curiosa com essa série… vou espreitar 😉
      E quanto a “Marriage Story”, sim, merece uma boa sessão de fim de semana. Adorei!
      Beijocas

Escreve aqui o teu comentário

Parcerias