Ideias à solta

Hoje vamos descobrir… by Marisa Sousa

Janeiro 14, 2020

À descoberta do moinho encantado de D. Quixote, numa tarde de outono/inverno.

Já estamos naqueles dias em que apetece ficar em casa no sofá, de manta.

Mas imagina um final de tarde de outono ou de inverno com algum frio à mistura, mas não te apetece ficar em casa, porque o dia nos chama para aproveitá-lo…

Um dos primeiros sítios em que penso: o bar Moinho D. Quixote, na Azóia, próximo do Cabo da Roca, Sintra.

O charme começa logo no caminho, com vistas de cortar a respiração para o mar do Guincho, e já a entrar pela encantada serra de Sintra (no sentido Cascais/Sintra).

Se quiseres começar pela serra mágica de Sintra e terminar com o encanto do mar, também é uma excelente opção.

No meio de ruelas de pedra, encontramos um moinho antigo que, neste momento, é mais do que isso.

Assim que começamos a entrar, a vista sobre o mar do Guincho, por entre a natureza que envolve a esplanada, é logo razão para dizer “UAU”.

A vista e a envolvência da natureza é, por si só, um chamariz para querer descobrir mais. Convido-te então a mergulhar no interior. Confia, não te vai deixar indiferente.

O interior tem várias salas e recantos, com a lareira à entrada onde nos apetece logo querer ficar. Transporta-nos para outras viagens, com as suas cores vivas, artefactos espalhados pelas paredes, as mesas que foram em tempos troncos de árvores e muitos outros pormenores encantadores e escondidos.

O Moinho D. Quixote convida a um chá com scones ou um outro lanche, ou até um almoço inspirado na cozinha mexicana, num local encantado, com o Guincho aos pés. Quase sempre acompanhados por um ou dois gatos (quando resolvem aparecer) que descobrem o local perfeito para se aninharem e aproveitarem este e aquele recanto, com o calor da lareira acesa que nos aquece ainda mais a alma.

Por mais vezes que visitemos este local, há sempre algo em que pensamos: “Olha nunca tinha reparado nisto”, seja uma máscara na parede, um lagarto (não é verdadeiro…), uma obra de arte, uma coluna escondida por um cesto de vime.

Seja lá dentro ou cá fora, há sempre um novo detalhe escondido a descobrir. Uma ida a este local nunca é igual.

Mas não nos fiquemos só por friozinho de outono ou inverno. As mesas e cadeiras na esplanada protegida pelas árvores, com a vista para o Guincho são um local de eleição para um almoço, ou um lanche ao final de tarde de um belo dia de verão, acompanhados por um cocktail com uns nachos (fica a sugestão…).

Tudo começou no final dos anos 80, quando um senhor alemão e uma senhora inglesa, abriram esta casa e, mais de 30 anos depois, continua a ser um local de encantar entre o inspirador mar do Guincho e a beleza da serra de Sintra.

Mesmo que já conheças, há sempre algo novo a descobrir.

Boa descoberta!

Marisa Sousa

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias