Ideias até ao infinito

Agitação, aperto no coração e… sai um Top 5

Outubro 18, 2019

As mãos tremem-me. (Quase) Sinto suores frios. Inspiro profundamente. E expiro bem devagar… Uff! Acredita que este é um dos exercício mais difíceis a que já me propus, como deves calcular. E tomou-me algum (muuuito) tempo a decidir como o fazer. É que, desde que me lembro de ouvir música, são tantas as bandas, os músicos, os géneros de que fui sendo fã, que é difícil escolher apenas 5 de entre tantos. Não ias querer que te apresentasse um top 50 ou 100, certo?! Não saíamos daqui! :-p

Só para que tenhas uma pequena ideia, da primeira vez que esta ideia invadiu a cabeça desta miúda, pensei “bem, ao estilo tabelas ‘os melhores de’ do canal VH1, vou selecionar as minhas 5 bandas/cantores favoritos”! Só que, quando começas a remexer nas tuas paixões e memórias, percebes que, acima de tudo, és apaixonada pela diversidade musical, o que te leva a ter bem mais do que 5 favoritos. É que selecionas 5 e depois pensas: “Aaaah, e estes?! Também adoro! Aaah, e aqueles?! Raios, isto assim não vai dar.”

Perante esta dificuldade, repensei o post: “Já sei, vou selecionar o meu top 5 de cada década, desde os anos 80!” Eureka! (julgava eu) Acontece que me vi num impasse logo na década de 80… que para mim é uma das mais ‘ricas’ em fenómenos musicais, mas também em situações de (ou quase) one hit wonders! O que me colocou um dilema: não dá para dizer que sou fã de um músico ou banda só por uma música, apesar de ela ter sido ouvida em loop na minha adolescência. Ou dá?! Bem…

… assim, outros tantos suores frios e tremores depois, decidi regressar à ideia original e selecionar um top 5, com duas ressalvas e a promessa de que todos os outros irão aparecer, mais dia menos dia, na rubrica A Minha Vida em… Música:

– Estes são os meus 5 de entre tantos outros (favoritos) que, sempre que a disposição para aí me leva, consigo ouvir em loop o dia inteiro! Sem enjoar! E de cada vez que oiço, parece que descubro uma nova sensação, por detrás de cada acorde;
– Estes são 5 nomes dos quais adoro cada uma das faixas de um, ou mais, álbuns e, independentemente da década em que surgiram na minha vida, ainda hoje me delicio a ouvir o(s) álbum(ns) de uma ponta à outra! Dito de outra forma, aqueles que considero intemporais!

Dito isto, resta-me avançar para um top 5 que, ainda assim, e tal como tenho dito na rubrica mensal, vale o que vale, porque é o meu gosto musical! É pessoal! É, apenas, eu a dar-te um pouco mais de mim! Sem mais demoras, aqui fica o meu top 5! (sem ordem de preferência, ok)

Jamie Cullum
Acho que facilmente adivinhavas esta escolha… até porque já aqui o tinha revelado depois de uma noite mal dormida, já ‘apareceu’ pelas linhas de A Minha vida em… Música e também te contei aqui como vivi a sua última passagem pelo EDP Cool Jazz 2019. Atrevo-me a dizer que, para mim, Jamie Cullum tem “o toque de Midas”, pois tudo o que este miúdo faz, faz bem… aliás, faz prodigiosamente bem! Tudo soa bem na sua voz, na sua música, no seu estilo inconfundível! Simplesmente, adoro Jamie Cullum!

Coldplay
Apesar dos mixed feelings de que dei conta na rubrica A Minha vida em… Música que lhes dediquei, estes rapazes de terras de Sua Majestade continuam (e vão perdurar, i believe) a estar no meu top de preferências musicais… pelo menos “Parachutes”, “A Rush of Blood to the Head” e “X&Y” são daquelas preciosidades musicais que me enchem o coração! Ainda hoje oiço, com o prazer de quem se apaixona pela primeira vez! A partir daí, o mesmo é dizer, do álbum “Viva La Vida or Death And All His Friends”, compreendo o fenómeno que os levou a serem, hoje, uma das maiores bandas mundiais, mas ao meu gosto musical chegam apenas uma mão-cheia das músicas que fazem atualmente (nem por acaso, esta semana saiu a notícia de novo álbum para 2020). Ainda assim, aqueles 3 primeiros álbuns são qualquer coisa de fenomenal e, por essa razão, os Coldplay terão sempre um lugar especial nas preferências musicais desta miúda!

Robbie Williams
Era impossível não estar aqui! O Mr. Entertainment, o verdadeiro, conquistou-me a partir do momento em que deixou de fazer parte da boysband Take That, logo aos primeiros acordes de “Let Me Entertain You”…  o rapaz pediu e eu deixei! 🙂 Com um ar de miúdo traquina, e um percurso marcado por uma rebeldia característica de adolescentes/jovens adultos, Robbie Williams foi-se revelando um artista versátil, ora atirando-nos com baladas românticas, daquelas bem orelhudas, ora assumindo sem pudor a sua rebeldia num género mais roqueiro, ora revelando-nos uma sonoridade pop mais experimentalista. Mas queres saber em que ponto da carreira mais me surpreendeu (e agarrou) Robbie Williams? Já ouviste “Swing When Your Winning”? Pois. E quando vês o concerto que deu baseado neste álbum, no Royal Albert Hall, em Londres, em outubro de 2001, vês muito para lá do miúdo-rebelde-dos-Take-That-que-virou-estrela-maior-da-pop-mundial! É um artista completo! Impossível é resistir-lhe! 

Florence & The Machine
Estavas a pensar “hmm, mas ela só gosta de músicos e bandas no masculino”, certo?! É claro que não, mas por isso é que esta seleção é muito difícil! Ai! E entre as miúdas que conquistaram o meu coração de fã, tive de optar pela Florence… & The Machine, claro, só que é dela que emana grande parte da aura desta banda rock britânica. E como já aqui o disse, esta mulher, para mim, é a personificação do rock no feminino! A música dos Florence & The Machine faz-me sentir confiante e poderosa, mas ao mesmo tempo leva-me a entrar num mundo de fantasia! Nem sei explicar! E bastam-me uns acordes de “Dog Days Are Over” para me elevar o estado de espírito, e correr ao ritmo da batida de “Kiss With a Fist”?! Whaaaat?! É a loucura! 

Queen
Fenomenais! Intemporais! Inquestionavelmente, uma das (se não a) maiores bandas de sempre! Estariam no topo do meu top 5 da década de 80, e provavelmente de sempre, mas a realidade é que a música dos Queen é transversal ao próprio tempo, aos géneros musicais, às várias gerações! É incontornável que muito de tudo isto se deve, em grande parte, ao seu único, inimitável, inigualável vocalista, Freddie Mercury, mas ainda assim é como banda que estão na história da música mundial! E é tudo tão bom nos Queen, que nem sei por onde começar! Se “Bohemian Rhapsody” é simplesmente genial, o que dizer de “Another One Bites The Dust” ou “Under Pressure” com David Bowie, ou “Who Wants to Live Forever?” ou ainda “A Kind of Magic” e “We Are the Champions”, “Radio Ga Ga”, “I Want to Break Free”, “Friends Will Be Friends”, “The Show Must Go On”… you get the picture! Passava aqui o dia todo a nomear êxito atrás de êxito! Sem me alongar mais, os Queen são mesmo… “Somebody to Love”!

********

E aqui está! Estes foram os “Escolhidos”! Aiiii, mas tantos outros estão ali logo, logo a seguir… Guns’n’Roses, Lenny Kravitz, Wham!, Skunk Anansie, Jamiroquai, Alanis Morissette, Norah Jones, Jewel, The Script, Lady Gaga, The  Police, Seal, Frankie Chavez, António Zambujo… Opá, tantos que estão ali coladinhos aos lugares deste pódio de 5 lugares! Bem, para estes fica reservado um lugar na rubrica A Minha Vida em… Música!
Reparaste no que estas minhas 5 escolhas têm em comum? Todos eles são originários do “grande rochedo” que é a Grã-Bretanha! Estou tentada a dizer que a maior parte da melhor música que se faz (e agora vou semear a discórdia) provém daquela ilha! 😉

Espero que tenhas gostado de ficar a saber um pouco mais de mim, como eu, apesar do desafio, gostei de o fazer! E tu queres partilhar com as miúdas o teu top 5?

Susana Figueira

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias