Ideias para a agenda

A Agenda Vermelha de Sofia Lundberg

Outubro 16, 2019

Após o regresso de férias, tinha este livro à minha espera e nele uma história que me tocou especialmente. Apesar de estar a meio de outras leituras, não resisti e, nesse mesmo dia, comecei a ler A Agenda Vermelha. Obrigada Porto Editora!
O desafio de leitura de setembro do Clube Literário Um Livro Debaixo da Asa – Aposta todas as tuas fichas, a vida é uma lotaria – parecia ser feito para este livro. Assim como a Sofia Lundberg apostou todas as suas fichas na agenda vermelha da sua tia-avó e conquistou a Suécia com o seu primeiro romance, eu apostei todas as minhas fichas neste livro e partilhei com uma sala cheia de gente linda as emoções vividas em cada capítulo. E a verdade é que também naquela sala este romance despertou curiosidade e muita vontade de ser lido e sentido.
A Agenda Vermelha de Sofia Lundberg Foto: @niacarvalho
Falar sobre velhice e solidão não é fácil. Os meus olhos encheram-se de lágrimas, mas o meu coração revelava uma certeza. A Agenda Vermelha é um livro que nos fala também do poder magnífico das memórias e, sobretudo, da força incrível que é o amor.
A autora quis homenagear a sua tia-avó paterna, Doris, com quem, em pequena, passou muito do seu tempo. Depois da morte de Doris, Sofia encontrou a sua agenda numa prateleira no corredor de sua casa. Estava cheia de nomes, a maior parte deles com um traço por cima e procedido da palavra MORTO. Sofia percebeu, nessa altura, como Doris se deve ter sentido só nos últimos anos da sua vida, quando todos os seus amigos já tinham partido. 
Isto fez-me pensar muito no que é envelhecer. No que é perdermos as nossas capacidades, perdermos os que amamos… Ficarmos numa solidão cheia de memórias e sem ninguém com quem as partilhar. A Sofia Lundberg foi tocada por esta agenda da tia-avó e, anos mais tarde, resolveu escrever este romance inspirado nos nomes escritos nas páginas da agenda. Colocou na vida de Doris alguma ficção e assim nasceu um romance empolgante. 

 

A Agenda Vermelha de Sofia Lundberg
 
A personagem principal deste livro, Doris (sim, tem o mesmo nome da tia-avó da autora) anseia contar a história da sua vida à sua única familiar, a sobrinha Jenny que vive longe. Doris, na Suécia, e Jenny, nos Estados Unidos, estão ligadas pelas chamadas telefónicas que fazem via Skype e por um amor incondicional. Certa de que os seus dias se estão a esgotar, Doris escreve. Escreve no computador a sua história, as suas memórias, um património valioso que será de Jenny. E assim também eu fiquei a conhecer Doris, a sua vida, as suas aventuras, o seu único amor, o seu mais querido amigo, as suas reflexões, os seus arrependimentos, os seus perdões… Fui inspirada pelo poder das memórias, a parte de nós que fica quando embarcamos na nossa última aventura. 
 
A Agenda Vermelha de Sofia Lundberg
 
E isto fez-me pensar em tantas conversas que já tive com a minha mãe. E em tantas memórias que já podia ter eternizado nas folhas de um caderno. Ela tem tanto para contar. São 84 anos. Foram tantas as pessoas que passaram pela sua vida e que já não estão cá. Ela também poderia ter uma agenda vermelha ou azul, ou lilás… às vezes, apetece-me sentar-me ao seu lado a ouvir as suas histórias e escrever, escrever… Adoro quando ela conta coisas de outros tempos, tempos em que eu ainda não andava por cá.
Mas esta história também me fez pensar no tempo que ela passa sozinha. Eu sei que ela está bem. Ela tem uma energia que parece não ter fim e coloca-a nos seus passeios diários, nas conversas matinais com a senhora da mercearia, no seu café da tarde, nos momentos que passa ao lado do seu bisneto… A vida é assim. Nós crescemos, abandonamos o ninho e voamos em direção aos nossos sonhos. Voltamos sempre que podemos… Mas esse voltar, às vezes, sabe a pouco.
Voltando ao romance… Sofia Lundberg com este seu livro pôs muita gente a pensar nos seus familiares mais idosos. É verdade. Acabei agora mesmo de escrever dois parágrafos sobre a minha mãe. E foi também sobre ela que falei na reunião do Clube Literário “Um livro debaixo da asa”. E é este o poder dos livros. Eles distraem-nos, levam-nos em grandes viagens e aventuras. Fazem-nos apaixonar pela personagem principal e até tomar as suas dores. Conseguem libertar a guerreira que há em nós e vivemos verdadeiras batalhas épicas. Soltam-nos gargalhadas e levam-nos às lágrimas. Fazem-nos refletir e partilhar os nossos receios, as nossas dúvidas, as nossas conquistas. Quando falamos deles, das histórias que preenchem as suas páginas, falamos também de nós. Revelamos um pouco de quem somos, da essência que muitas vezes se esconde atrás de máscaras.

A Agenda Vermelha de Sofia Lundberg

A Agenda Vermelha colocou-me num lugar onde nunca estivera antes. Um lugar que me questionou sobre o medo de envelhecer, sobre o medo de ficar só… Mas também me colocou num lugar que conheço bem. O lugar do amor.

Rosarinho 

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias