Ideias à solta

“Histórias Infanto Juvenis da Tradição Africana” por Carlos Duarte

Janeiro 8, 2015
Como o elefante adquiriu tromba
 
Uma jibóia muito grande, entendeu certa vez, de lutar com um jacaré também enorme, pois, tendo se encontrado os dois no rio, cada um decidiu comer o outro.
 
Nessa luta, o jacaré conseguiu engolir o corpo quase todo, da jibóia, mas ao fechar a boca, o rabo ainda estava do lado de fora e, cortado ficou a agitar-se no chão, enquanto o jacaré se afastava, nadando calmamente, para um lugar onde fizesse a sua demorada digestão.
 
Entretanto chega a beira do rio um elefante disposto a beber água, e tomar seu banho, quando vendo aquela cauda grossa se agitando sem parar, se aproximou para ver o que era, e a cauda da jibóia, sem perda de tempo, pulou no nariz do elefante, pois se continuasse assim solta, acabaria morrendo.
 
O elefante achou muito desaforo da parte da cauda, pular assim no seu nariz, sem pedir autorização nem nada, e resolveu esmagá-la contra uma árvore.
 
Mas a cauda, pressentindo o que ia acontecer, pediu muito ao elefante que não a matasse, que a deixasse viver pendurada no seu nariz, que em contrapartida, ela o ajudaria dali em diante a alcançar e comer, as ervas mais novas e tenras do chão, e os rebentos e frutos dos galhos mais altos das árvores.
 
O elefante, até hoje ainda acha que fica muito feio, com aquela cauda pendurada no nariz – de vez em quando, a encosta num tronco e aperta – mas ponderou na utilidade dela, e acabou concordando.
 
E assim, apesar de não gostar muito dela, serve-se da cauda para tudo: comer, beber, tomar banho, fazer força, ou mesmo derrubar os adversários que ousam defrontá-lo.
 
“Uma coisa que parece ruim, às vezes pode ser boa, se soubermos aproveitá-la”.
 
Carlos Duarte
(esta crónica é escrita em português do Brasil)

    Escreve aqui o teu comentário

    Parcerias